No dia 2 de julho, a Euroatla promoveu um Webinar dedicado ao tema “A Logística Pós-Covid-19”.

O mundo que conhecíamos já não será o mesmo. A pandemia que faz parte do mundo desde Janeiro de 2020 e em Portugal desde Março 2020 teima a dar tréguas.

Em todo o mundo sem exceção adotámos novas regras, novos hábitos e engenho para fazer frente ao que até então é a nova realidade.

As medidas de confinamento e de abrandamento do dia-a-dia tiveram, e continuam a ter, impacto na economia global e na interação entre países, desde o turismo ao comércio internacional. Inevitavelmente as empresas tiveram que se adaptar e inovar para poderem dar resposta às encomendas que, apesar de terem reduzido na generalidade, necessitam de ser entregues.

Atualmente lidamos com congestionamento nos portos e parques de contentores, o que dificulta a mobilização das cargas a bom porto e sem atrasos. Para além disso existem cada vez mais entraves no cruzamento de fronteiras terrestres. As cargas realizadas por rodovia estão a perder muito tempo de trânsito em verificações alfandegárias e restrições mais apertadas de circulação, o que faz com que o atraso seja maior e a falta de espaço e equipamentos se faça sentir.

As alterações imediatas foram:

  • Diminuição de disponibilidade de soluções de transporte aéreo;
  • Primazia ao transporte marítimo como solução mais viável na ligação com geografias mais distantes;
  • Alteração das regras de procurement e da dependência de fornecedores no mercado da China;
  • Desafios na gestão de stocks, nomeadamente em manusear os overstocks que permaneceram em armazém durante o segundo trimestre do ano;
  • Redistribuição de stocks e de produção, com prioridade no mercado doméstico e internacional;
  • Entregas mais rápidas e um forecast reduzido.
  • Com todos os pontos mencionados, é inevitável que as empresas optem cada vez mais por outsourcing de soluções de logística. As empresas especializadas oferecem um serviço de A a Z, conseguindo isolar o foco na operação logística, permitindo que os clientes se centrem na sua atividade principal.

Para além de reduzir os custos fixos da empresa e de otimizar o tempo dispendido, os parceiros logísticos garantem resposta de serviço para todo o globo pela vasta rede de networking de agentes internacionais. Algumas destas empresas, como é o caso da Euroatla, oferecem também serviços de consultoria, ajudando a delinear estratégias e facilitando o processo de decisão.

Outra tendência fulcral nas empresas é a atenção ao impacto no meio ambiente. Cada vez mais, os Estados irão exigir que as empresas sejam amigas do ambiente e consigam reduzir cada vez mais a sua pegada ecológica, e a logística tem um peso grande nesta matéria. No setor dos transportes de mercadorias estão a ser implementadas soluções para que a redução de gases de efeito de estufa. O recurso ao transporte ferroviário e marítimo de mercadorias terá cada vez mais primazia para este efeito.

A Euroatla disponibiliza uma calculadora de emissões de CO2 para quantificar as emissões do transporte das suas cargas. Por favor entre em contacto connosco para saber mais.

Com todas estas mudanças, propomos alguns pontos de reflexão que devemos começar a ter em consideração. Como será esse futuro tão aguardado?

– Tracking em tempo real de operações e mercadorias como ponto comum das empresas de transportes;
– Oferta de uma operação logística de A a Z: uma cadeia de abastecimento completa;
– Ser cada vez mais flexível e proativo na busca por soluções;
– Ampliar cada vez mais a rede de contactos e de parceiros em todo o globo;
– Dispor de cotações de fretes online;
– Utilização e recurso a comunicação por Omnichannel;
– Recorrer à logística de Last-Mile para dar resposta às operações de E-Commerce;
– Diversificar o procurement, a localização de fornecedores e parceiros logísticos;
– O recurso ao teletrabalho como uma nova realidade que veio para ficar;
– Apostar no marketing digital e na comunicação em redes sociais;
– Conhecer e estruturar os hábitos de compra dos nossos clientes, com recurso a soluções CRM;
– Automatizar armazéns com tecnologia de top e recorrendo ao Blockchain;
– Manter o contacto personalizado com o cliente.

O mundo está a mudar e cabe-nos a nós identificar as diferenças, as consequências e aprender a viver neste novo mundo.

Fonte: https://www.supplychainmagazine.pt/2020/07/20/a-logistica-pos-covid-19/